Tuberculose – Sintomas, Prevenção e Cuidados

foto tuberculose

Criado em 1982 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o dia 24/03 marca a luta mundial contra a Tuberculose. Essa é uma doença infectocontagiosa descoberta no século XIX, que alguns até acreditam ter sido erradicada, porém, segue como uma das dez maiores causas de morte no mundo. Ela afeta principalmente as populações mais pobres e carentes de serviços de saúde.

Em 2017, a OMS iniciou o segundo ano da campanha global “Unidos para Acabar com a Tuberculose” (United to End TB, em inglês). Com 10 milhões de novos casos por ano, levando mais de um milhão a óbito, a preocupação com essa doença é enorme. Infelizmente, o Brasil permanece entre os 20 países que mais apresentam casos da doença.

A luta contra a Tuberculose é um dos focos de atuação da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. Nós conversamos com Marciléia Dias, que é enfermeira e responsável técnica pelo Serviço de Enfermagem do Ambulatório do Centro de Referência Professor Hélio Fraga da ENSP/Fiocruz, para entender mais sobre sintomas, prevenção e cuidados.

A especialista explica que o principal sintoma da Tuberculose Pulmonar é a tosse, que pode ser com ou sem a produção de catarro. Outros sintomas importantes a se observar são emagrecimento, sudorese noturna, febre que acontece geralmente no final da tarde, cansaço, prostração, e ainda podem estar presentes dor torácica e falta de ar. “No caso de Tuberculose extrapulmonar, são comuns sintomas como a febre, prostração, cansaço e emagrecimento, de acordo com o órgão afetado”, acrescenta Marciléia.

O contágio da doença é por via aérea, de pessoa para pessoa. Pequenas gotículas contendo os bacilos da tuberculose são expelidas pelo indivíduo doente ao falar, tossir ou espirrar e ficam suspensos no ar. Outras pessoas podem inalar estes bacilos, que se alojarão nos pulmões ou em outros órgãos.

Indivíduos com tosse por três semanas ou mais devem procurar imediatamente uma unidade básica de saúde para avaliar a possibilidade de ser Tuberculose. “O diagnóstico normalmente é realizado por exame de escarro junto com a radiografia de tórax. Em alguns casos, também é solicitada tomografia de tórax para confirmação”, explica a técnica da Fiocruz.

Prevenção e Cuidados

A principal forma de prevenção é a vacinação. É muito importante a aplicação da vacina BCG nos recém-nascidos. Além disso, recomenda-se a identificação de pessoas que convivem ou conviveram com pacientes. Estes deverão ser encaminhados ou procurar uma unidade básica de saúde mais próxima de sua residência, como as clínicas da família, para realizar os exames de investigação.

A doença tem cura se o tratamento for realizado de forma correta. No Brasil, ele é gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A duração é de no mínimo seis meses para Tuberculose sensível, já para os casos de Tuberculose droga resistente, são necessários em média 18 meses. “É muito importante que o paciente diagnosticado realize o tratamento de forma regular, sem abandoná-lo”, destaca Marciléia.

O paciente nunca deve suspender os medicamentos por conta própria. Dessa forma, evitará reincidência da doença e resistência aos medicamentos utilizados no tratamento. Os portadores de HIV e Diabetes Mellitus precisam ter atenção redobrada, pois estão suscetíveis a desenvolver formas mais graves da Tuberculose.

Durante o tratamento, pessoas que convivem com o doente devem estar cientes da necessidade de investigar se houve contágio da doença. Além disso, têm que evitar ficar aglomeradas no mesmo local e manter o ambiente arejado e bem iluminado (luz solar). “O uso de máscara deve ser contínuo até que o médico libere o paciente. Ao tossir ou espirrar o doente deve cobrir a boca e o nariz com o antebraço, pois assim evita que os bacilos se espalhem no ar”, indica Marciléia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *